Seguidores

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Quais estados geram renda e quais consomem renda

Quais estados GERAM RENDA e quais estados CONSOMEM A RENDAno Brasil.
 Estado
Quanto PAGA ao Governo Federal
Quanto RECEBE do Governo Federal
Resultado Final
Acre
244.750.128,94
2.656.845.240,92
(2.412.095.111,98)
Amazonas
6.283.046.181,11
9.918.321.477,20
(3.635.275.296,09)
Amapá
225.847.873,82
2.061.977.040,18
(1.836.129.166,36)
Pará
2.544.116.965,09
9.101.282.246,80
(6.557.165.281,71)
Rondônia
686.396.463,36
2.488.438.619,93
(1.802.042.156,57)
Roraima
200.919.261,72
1.822.752.349,69
(1.621.833.087,97)
Tocantins
482.297.969,89
3.687.285.166,85
(3.204.987.196,96)
Alagoas
937.683.021,32
5.034.000.986,56
(4.096.317.965,24)
Bahia
9.830.083.697,06
17.275.802.516,78
(7.445.718.819,72)
Ceará
4.845.815.126,84
10.819.258.581,80
(5.973.443.454,96)
Maranhão
1.886.861.994,84
9.831.790.540,24
(7.944.928.545,40)
Paraíba
1.353.784.216,43
5.993.161.190,25
(4.639.376.973,82)
Pernambuco
7.228.568.170,86
11.035.453.757,64
(3.806.885.586,78)
Piauí
843.698.017,31
5.346.494.154,99
(4.502.796.137,68)
Rio Grande do Norte
1.423.354.052,68
5.094.159.612,85
(3.670.805.560,17)
Sergipe
1.025.382.562,89
3.884.995.979,60
(2.859.613.416,71)
Goiás
5.397.629.534,72
5.574.250.551,47
(176.621.016,75)
Mato Grosso
2.080.530.300,55
3.864.040.162,26
(1.783.509.861,71)
Mato Grosso do Sul
1.540.859.248,86
2.804.306.811,00
(1.263.447.562,14)
TOTAL DOS QUE CONSOMEM RENDA
(69.232.992.198,72)

Espírito Santo
8.054.204.123,90
3.639.995.935,80
4.414.208.188,10
Minas Gerais
26.555.017.384,87
17.075.765.819,42
9.479.251.565,45
Rio de Janeiro
101.964.282.067,55
16.005.043.354,79
85.959.238.712,76
São Paulo
204.151.379.293,05
22.737.265.406,96
181.414.113.886,09
Paraná
21.686.569.501,93
9.219.952.959,85
12.466.616.542,08
R. Grande do Sul
21.978.881.644,52
9.199.070.108,62
12.779.811.535,90
Santa Catarina
13.479.633.690,29
5.239.089.364,89
8.240.544.325,40
TOTAL DOS QUE GERAM RENDA
314.753.784.755,78
AGORA  VOCÊ  ENTENDEU  O  POR QUÊ  A GENTE PAGA E ELE$ ELEGEM O PRE$IDENTE ???!!
Fontes:

Brasil - Paraíso de bandidos, agora a festa vai ser grande.

Festa nas prisões Brasileiras
A lei da prisão preventiva vai mudar na próxima semana.

domingo, 26 de junho de 2011

Sarneyquistão...,


Eis o Sarneyquistão

maranhao-quadro
“A terminação “istão”, em algumas das línguas faladas na Ásia Central, significa “lugar de morada” ou “território”. Assim, o Quirguistão é o lugar de morada dos quirguizes. O Cazaquistão, o território dos cazaques, e o Tadjiquistão, dos tadjiques. Também por esse motivo, o estado do Maranhão - tão miserável quanto as antigas repúblicas da extinta União  Soviética e igualmente terminado em “ão” - poderia muito bem ser rebatizado de Sarneyquistão. Há 46 anos, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), abriga 32 dos cinqüenta municípios mais miseráveis do país. Quando Sarney chegou pela primeira vez ao poder, no longínquo ano de 1965, o Maranhão ocupava as últimas posições do ranking nacional de desenvolvimento. A partir de então, seu grupo venceu dez eleições para governador, chefiou o Executivo local por 41 anos e… conseguiu o feito de nada mudar. O “Sarneyquístão” continua ostentando os indicadores sociais mais vexatórios do país, comparáveis aos das nações mais desvalidas do planeta (veja o quadro). Um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) concluído há duas semanas mostra que a pobreza extrema atinge 14% da população. Em 82 das cidades do estado, a renda média é inferior ao que o Bolsa Família paga em benefícios. Outro estudo afirma que 78% dos maranhenses dependem de algum programa oficial de transferência de renda. E não foi a natureza que condenou os maranhenses à miséria.”
Por Reinaldo Azevedo

sábado, 18 de junho de 2011

Ideli Salvatti em seis versões

Ideli Salvatti em seis versões

Amarelou, melou, se cagou...,


Mulher de coragem é esta aí:

"Dilma pisa na bola"
Juremir Machado da Silva
Todo mundo, cedo ou tarde, pisa na bola. Dilma Rousseff pisou cedo. Não falo da escolha de Antônio Palocci para a Casa Civil. Nem do fato que ele estava mais interessado em apartamento. Também não falo da sua escolha da truculenta Ideli Salvatti para a função de negociadora do governo. Algo como colocar um elefante para atender a uma loja de cristais. Com Dilma, Ideli e Gleisi, inauguramos a República das Sargentonas. Não é isso. Refiro-me à recusa da presidente em receber a iraniana Shirin Ebadi, prêmio Nobel da Paz de 2003, que esteve em Porto Alegre nessa segunda-feira palestrando no ciclo Fronteiras do Pensamento. Shirin tem enfrentado o machismo religioso do islamismo e desafiado os aiatolás e o ditador de plantão no Irã, o obtuso Ahmadinejad.
Pisou mais uma vez na bola ao dar uma desculpa esfarrapada para a sua atitude. Como presidente, só receberia chefes de Estado e de governo. Conversa fiada. Recebeu a Shakira e o pessoal do U2. Presidente recebe qualquer um. Tem tempo para vestir boné disso e daquilo. Trata-se de uma função simbólica. Cada gesto sinaliza isto ou aquilo. Dilma fez de conta que estava adotando uma política diferente daquela praticada por seu tutor, Lula, em relação ao Irã. Deu discurso bonito fora de casa. Foi fogo de palha. Já amarelou. O estilo Dilma de governar começou a encolher. Na primeira encrespada, chamou Lula para apagar o fogo e botar ordem na casa. A mulher famosa por falar grosso acabou com um fio de voz. Ficou bem feio.
A visita de Shirin Ebadi, mulher corajosa, defensora dos direitos humanos, crítica implacável de práticas como o apedrejamento de adúlteras teria de ser saudada com fogos de artifício. Ela deveria ser recebida com tapete vermelho no Planalto. Melou. Ebadi não subirá a rampa. Nessa, quem desce é Dilma. Shirin tem dito que os direitos humanos não param de regredir no Irã. Os fundamentalistas atacaram a sua casa e picharam insultos. Pelo jeito, a moça ainda tem ilusões. “Se ela defende os direitos humanos, me receberá”, declarou, certa de que Dilma Rousseff não pipocaria. Em bom português, deu com os burros na água. Razões de Estado levaram Dilma a pisotear as razões do humanismo. Assim vai a coisa. O pragmatismo fala alto.
Shirin Ebadi teria de contentar-se em conversar com Marco Aurélio Garcia, assessor da Presidência para Assuntos Internacionais. Ele poderia tentar convencê-la de que Ahmadinejad é um bom sujeito. Dilma Rousseff vai ficar devendo essa. Cada presidente tem direito a certo número de pisadas na bola. No ritmo em que a coisa vai, Lula já está fazendo embaixadinhas para voltar em 2014. Eu ainda acredito que a presidente vá virar o jogo. Aposto muito mais nela do que no Falcão. Só que estou cansado de ver gol contra. Quero o Inter e Dilma jogando no ataque e não perdendo chances claras de marcar posição. Entre nós, nessa, Dilma nos deixou de cara no chão. Vai ver que entendi tudo errado. Certamente é intriga da mídia. Ou a cinza vulcânica é que atrapalhou.

terça-feira, 14 de junho de 2011

O mito Che Guevara

"Amo a humanidade; o que não suporto são as pessoas". (Charles Schultz)
Estivesse vivo, Ernesto "Che" Guevara completaria hoje 83 anos de idade. O guerrilheiro tornou-se ícone das esquerdas, e é visto como um idealista disposto a dar a vida pela causa. Adorado em Hollywood e Paris, Che foi eternizado pela foto tirada por Korda, que virou estampa de camisetas e biquínis. A ironia do destino transformou o comunista em lucrativa marca de negócios. 

Mas, como alertou Nietzsche, a morte dos mártires pode ser uma desgraça, pois seduz e prejudica a verdade. Pouca gente sabe quem Che foi de fato. Se soubessem, talvez sentissem vergonha de defendê-lo com tanta paixão. Seus fãs deveriam ler "O verdadeiro Che Guevara", de Humberto Fontova, e ver o documentário "Guevara: anatomia de um mito", de Pedro Corzo. É impossível ficar indiferente diante de tantos relatos sombrios das vítimas de Che. 

Nem deveria ser preciso mergulhar mais fundo nos fatos. Basta pensar que Che foi um grande colaborador da revolução cubana, que instaurou a mais longa ditadura do continente, espalhando um rastro de morte, miséria e escravidão na ilha caribenha. Mas uma pesquisa minuciosa gera ainda mais revolta. Aquele que gostaria de criar na América Latina "muitos Vietnãs" era mesmo um ser humano deplorável. 

A cegueira ideológica alimentada pela hipocrisia prejudica uma análise mais isenta dos fatos. Não é preciso muito esforço para verificar que Che Guevara era justamente o oposto do santo que tentam criar. O homem sensível de "Diários de motocicleta" era o mesmo que declarou que "um revolucionário deve se tornar uma fria máquina de matar movida apenas pelo ódio". Se ao menos os cineastas engajados tivessem lido o diário completo! 

Até mesmo as supostas cultura e erudição de Che foram enaltecidas por intelectuais como Sartre. A realidade, uma vez mais, parece menos nobre: um dos primeiros atos oficiais de Che após entrar em Havana foi uma gigantesca queima de livros. Além disso, Che assinou as sentenças de morte de muitos escritores cujo único "crime" fora discordar do regime. Quanta paixão pela cultura! 

As estimativas apontam para algo como 14 mil execuções sumárias na primeira década da revolução, sem nada sequer parecido com um processo judicial. Dezenas de milhares de cubanos morreram tentando fugir do "paraíso" comunista. Cuba tinha uma das maiores rendas per capita da região em 1958, e teve sua economia destroçada pelas medidas coletivistas do ministro Che. Nada disso impediu a revista "Time" de louvá-lo como um herói, ao lado de Madre Teresa de Calcutá. 

Roqueiros como Santana gostam de associar sua imagem à de Che. Será que ainda o fariam se soubessem que sua primeira ordem oficial ao tomar a cidade de Santa Clara foi banir a bebida, o jogo e os bailes como "frivolidades burguesas"? O próprio neto de Che, Canek Sánchez Guevara, não escapou da perseguição. O guitarrista sofreu nas garras do regime policialesco que seu avô ajudou a criar, e preferiu fugir de Cuba. Homossexuais também foram vítimas de perseguição e acabaram em campos de trabalho forçado. Quanta compaixão! 

Sobre a imagem de desapegado de bens materiais, a vida de Che também prova o contrário. Após a revolução, ele escolheu como residência a maior mansão cubana, em Tarara, uma casa à beira-mar com amplo conforto e luxo. A casa fora expropriada de um rico empresário. Além disso, quando Che foi morto na Bolívia ele ostentava um Rolex no pulso. Parece que nem os guerrilheiros resistem às tentações capitalistas. 

Aqueles que conseguiram fugir do inferno cubano e não precisam mais temer a represália do regime relatam fatos impressionantes sobre a frieza de Che. Foram centenas de execuções assinadas em poucos meses, e Che gostava de assisti-las de sua janela. Em algumas ele pessoalmente puxou o gatilho. Ao que tudo indica, Che parecia deleitar-se com a carnificina. Até mulheres grávidas foram executadas no paredão comandado por Che. Nada disso consta nas biografias escritas por aqueles que utilizam o próprio Fidel Castro como fonte. Algo como falar de Hitler usando apenas os relatos de Goebbels. 

A ignorância acerca destes fatos explica parte da idolatria a Che Guevara. Mas, como lembra Fontova, "engodo e muita fantasia também o explicam, tudo alimentado de um antiamericanismo implícito ou explícito". Che, assim como Fidel, desafiou o "império" ianque, e isso basta para ser reverenciado por idiotas úteis da esquerda. Que ele tenha sido uma máquina assassina, isso é um detalhe insignificante para alguns.
Texto do economista Rodrigo Constantino publicado no Globo de hoje.

Quanta bravura!

Dilma Collor

Como diria aquele robô do seriado americano, eu brado: perigo; perigo!
A presidente desde o início mostrou-se corajosa querendo peitar os “poderes constituídos” , ou seja, o PMDB e sua notória fisiologia (salvo uns 18 do Forte, sempre corretos e eficientes), e a ala neandertal do PT. Várias nomeações nem tinham sido feitas, ou não foram feitas pois articulava-se no Planalto nomes técnicos e idôneos para preencher os cargos de escalão inferior.
Com a queda do articulador-chefe do seu plano, Palocci, notamos que a turma da “mineira e extorsão” não vai largar a rapadura sem ruptura institucional. Quem quiser cutucá-los, seja mesmo com cotonete, vai cair. Engraçado que ninguém desse partido esteja na cadeia, como o Arruda do DEM. Devem saber horrores. Metem medo.
Já vimos esse filme antes. Só que de outro panorama, prisma e espectro ideológico. De um presidente que foi “empichado” por danar-se para o Congresso. Este, pelos votos nos temas pendentes, anda tiririca com o Planalto.
Nomear Ideli “Dança da Pizza” Salvatti, agora com cheiro de aliche, para articular a política, é como nomear o Maluf para tocar o BNDES. Dilma aumentou o tom.
Eu desejo sorte à presidente e devo lembrá-la que uma caça ao fisiologismo terá apoio incondicional da população. Vide o que Aldo disse ao FHC, quando do mensalão. Ele lembrou que com o povo nas ruas, não há “regimento interno”.
Bola pra frente búlgara. Bota pra quebrar!
Por Fernando Carneiro

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Eles se acham os donos da verdade, já estão até achando que cagam cheiroso.


Três coisas que eu gostaria de entender no governo Dilma


A iraniana Shirin Ebadi
, ativista de direitos humanos e Nobel da Paz em 2003, tentou em sua passagem pelo Brasil uma audiência pública com a presidente Dilma Roussef e não conseguiu. O Planalto alegou que a presidente não costuma receber personalidades que não sejam chefes de estado e de governo.
1 -Minha dúvida é: Shakira é o quê? Presidente da Colômbia? (não adianta argumentar que o Bono Vox é o primeiro ministro da Irlanda).
O ex-terrorista Cesare Battisti, acusado de homicídios na Itália, teve sua liberdade garantida pelos ministros do STF apesar de o Tratado de Extradição entre Brasil e Itália observar em seu artigo primeiro que “cada uma das partes obriga-se a entregar à outra, mediante solicitação, segundo as normas e condições estabelecidas no presente tratado, as pessoas que se encontrem em seu território e que sejam procuradas pelas autoridades judiciais da parte requerente, para serem submetidas a processo penal ou para a execução de uma pena restritiva de liberdade pessoal”. Procurado pela justiça  italiana, que solicitou ao Brasil a sua extradição, Cesare viverá em liberdade em São Paulo.
2- Minha dúvida é: A Itália é o quê? Uma ditadura que persegue pobres inocentes? (não adianta argumentar que o Irã é uma democracia exemplar).
O Ministro Luiz Sérgio, até poucos dias antes à frente da pasta das Relações Institucionais, foi nomeado Ministro da Pesca depois de uma fritura que teria esturricado às cinzas um lambari.
3- Minha dúvida é: O Ministro Luiz Sérgio é o quê? Um expert em pesca ou em relações institucionais? (não adianta argumentar que eu não entendo de política).
Por Tony Bellotto