O RATO QUE RUGE: A COMÉDIA E A TRAGICOMÉDIA.

O RATO QUE RUGE: A COMÉDIA E A TRAGICOMÉDIA.

O empresário ‘trader’ brasileiro que trabalha e vive nos Estados Unidos, Leandro Ruschel, que sempre encontra tempo para a produção de bons textos de análise política e notas em sua página do Facebook, acabou por me inspirar a escrever esta postagem.
Crítico mordaz do esquerdismo delirante e muito bem informado, Ruschel escreveu o seguinte, com relação ao super badalado depoimento de Lula nesta quarta-feira em Curitiba: “Lula prometeu uma gigantesca manifestação a seu favor em Curitiba. Resultado: utilizando todo o poder da mortadela, não conseguiu reunir mais do que 4 mil pelegos’. E completou: Lula tem o rugido de um rato”.
Ai eu me lembrei de uma famosa comédia que teve como ator principal o insuperável Peter Sellers. O título do filme: “O rato que ruge” (The mouse that roared), é de 1959 e chegou ao Brasil no início da década dos anos 60 do século passado. 
Guardadas as devidas proporções, o enredo dessa comédia em grande medida é meio parecida com as trapalhadas e as gatunagens de Lula e seus sequazes.
A Wikipedia refrescou minha memória sobre o roteiro. Afinal, o filme tem mais de meio século.
Em síntese é o seguinte: A economia de Fenwick (país fictício) está na bancarrota (parecido com o Brasil), pois o vinho, seu único produto de exportação, sofre a concorrência de um produto similar mais barato criados nos Estados Unidos da América. 
Então a governante do país a Duquesa Gloriana XII, (poderia ser a Dilma), é convencida pelo primeiro-ministro “Bobo” Moutntjoy (poderia ser o Aloísio Mercadante) a declarar guerra aos americanos, com o único propósito de perder e depois conseguir ‘financiamento’ (epa! aí tem coisa muito parecida com a engenharia financeira petralha que faliu o Brasil) para garantir a ‘reconstrução’ (que coincidência, hein?) numa referência ao Plano Marshall.
Risadas à parte, o diabo é que a história recente do Brasil sob o domínio dos psicopatas comandados por Lula está mais para uma ‘tragicomédia’.
O que é rigorosamente compatível com a célebre comédia britânica está no título: 'O rato que ruge'. Nada mais parecido com o Lula e seus rugidos frente ao calmo e impassível Juiz Sergio Moro, ao longo de uma tarde friorenta na capital paranaense.
http://aluizioamorim.blogspot.com.br/2017/05/o-rato-que-ruge-comedia-e-tragicomedia.html

Comentários

Postagens mais visitadas