O vídeo ensina que, num debate eleitoral, é preciso bater com palavras até em mulheres


Se os marqueteiros soubessem exatamente o que fazer para ganharuma disputa nas urnas, o Brasil teria inventado a eleição sem perdedores. Se conhecessem a receita que garante a vitória, não seriam marqueteiros; seriam candidatos imbatíveis. É de bom tamanho, convém ressalvar, o acervo que reúne ótimas sacadas dos integrantes da tribo. É tão volumoso quanto o que congestiona a ala que expõe ideias de jerico.
Entre tantas, a mais imbecil é provavelmente a que rebaixa a alunos de curso de boas maneiras os participantes de debates eleitorais transmitidos pela TV. Por determinação dos marqueteiros, todo candidato deve fugir como o diabo da cruz de qualquer coisa que possa parecer “muito contundente” ou “deselegante demais” aos olhos dos espectadores.
Uma pergunta que cause desconforto ao concorrente, uma resposta que mire o fígado do adversário, mesmo uma testa crispada pela irritação ─ tudo isso virou  ”sinal de agressividade”. É pecado mortal, sobretudo se houver mulheres no grupo de debatedores. Graças a essa estratégia, menos lógica que uma análise de Dilma sobre a engorda da inflação e a anemia do PIB, nas campanhas eleitorais como no futebol brasileiro os atacantes são hoje uma espécie em extinção.
Paradoxalmente, os remanescentes vivem desmentindo na prática a teoria forjada pelos apóstolos da pusilanimidade. A discurseira de Lula, por exemplo, é muito mais que agressiva: é uma bisonha aula magna de boçalidade. Se os marqueteiros tivessem razão, a usina de insolências que venceu duas disputas presidenciais não conseguiria sequer o voto dos parentes. Quem prefere a retirada quando todas as circunstâncias imploram pela ofensiva é gente que nunca ouviu falar em Carlos Lacerda, Jânio Quadros, Leonel Brizola e outros especialistas em duelos retóricos.
No vídeo de 2010, sem ultrapassar em nenhum instante a fronteira da civilidade, Plínio de Arruda Sampaio demitiu sem aviso prévio o besteirol covarde, revogou a caricatura eleitoral da Lei Maria da Penha e ensinou como se bate com palavras também em mulheres. As máscaras faciais de Dilma Rousseff vão revelando o pote até aqui de raiva, a temperatura interna a caminho do ponto de combustão.
Os candidatos da oposição precisam rever os 35 segundos em que Plínio associa Dilma Rousseff à corrupção em geral e a Erenice Guerra em particular.  Aécio Neves e o candidato(a) que substituirá Eduardo Campos vão constatar que a grosseria é apenas a a prima paupérrima da combatividade, da firmeza, da contundência, da ironia fina, do sarcasmo desmoralizante. A verdade só soa insultuosa aos ouvidos de gente com culpa no cartório. Não há bala de prata tão mortal quanto a evocação do fato criminoso.
Milhões de brasileiros indignados sonham com um candidato que conte o caso omo o caso foi, que chame coisas e seres pelo nome certo. Quem rouba é ladrão. Quem prospera com vigarices é vigarista. A presidente incapaz de dizer algo que preste é um embuste que foi longe demais. E quer continuar até 2018 no emprego que ganhou do padrinho Lula.
Pouco importa o sexo de quem não se importa com o Brasil. A doutra em nada é uma ameaça à nação, e como tal merece ser tratada.

Comentários

Postagens mais visitadas