O time que desequilibrou o mundo



*Alceu Maynard 

De um modo geral, todos clubes de futebol tem uma boa história para contar. Luta, perseverança, superação, conquistas e glórias pontuam muitas delas. Porém, um clube conseguiu um feito único na história do futebol mundial: parar uma guerra. 


Fevereiro de 1969. O Santos, bicampeão mundial, era a maior atração que se podia imaginar quando o assunto era futebol. Uma constelação de craques, capitaneados por sua estrela-maior, Pelé, excursionava pelos quatro cantos do mundo encantando multidões. O comércio fechava as portas e estudantes faltavam às aulas para ver “o maior espetáculo da Terra”. Lamentavelmente, ao chegar no Congo Belga – atual República Democrática do Congo –, a equipe encontrou um país em guerra. Mas naquele dia, grupos rivais de Kinshasa e de Brazzaville interromperam o confronto para que as cidades pudessem assistir aos jogos dos “embaixadores do futebol”. Gilmar, Rildo, Lima, Pelé, Edu e companhia garantiram o espetáculo em terras africanas. Nesta seleção musical, vamos relembrar algumas grandezas do melhor clube das Américas do século 20.

Em 1912, na cidade litorânea de Santos, a principal exportadora de café do mundo, três esportistas - Francisco Raymundo Marques, Mário Ferraz de Campos e Argemiro de Souza Junior - fundaram o Santos Futebol Clube. A cidade onde Charles Miller aportou trazendo as duas primeiras bolas de futebol, vinte e dois anos depois, ganhava um clube que defenderia seu nome e divulgaria o talento brasileiro em todo o globo. Quando Arnaldo Silveira marcou o primeiro gol em uma partida oficial do time, começava a se estruturar a agremiação que, dois anos após a profissionalização do esporte no país, conquistou o seu primeiro Campeonato Paulista, em 1935. Neste ano consagrou-se o primeiro artilheiro do Santos, Araken Patusca, irmão do atacante Ary, que anteriormente havia defendido o alvinegro praiano.

Vinte anos mais tarde, o Santos chegou ao seu segundo título paulista e, na sequência, o bicampeonato, em 1956. Manga, Zito, Tite, Ramiro, Del Vecchio e Pepe, o eterno “canhão da Vila”, iniciaram uma época de domínio no futebol brasileiro que duraria muitos anos. Com a chegada do garoto Pelé, em 1956, a hegemonia do Santástico estendeu-se até o fim do seu reinado, em 1974. Ainda em 1956, o cantor Francisco Egydio gravou pela Odeon "Viva o Santos", uma homenagem de Júlio Nagib à recente conquista estadual. Versátil, Egydio cantava boleros, sambas e marchas, o que garantiu sua popularidade no rádio daquela década. Em 1958, Egydio gravou um compacto duplo dedicado ao seu time do coração. Lançado pela Odeon , o 78 r.p.m. trazia de um lado o samba "O Santos ganhou" (Nilo Silva, Marzinho e Nandinho) e do outro lado o hino oficial do clube, "Glória ao Santos F.C." (Carlos Henrique Paganetto Roma). 



Flamenguista, Jorge Benjor dedicou diversas músicas aos ídolos e ao clube rubro-negro durante sua carreira. A única exceção surgiu em 2004, no álbum Reactivus amor est (Turba Philosophorum), com a faixa "O nome do rei é Pelé". Para os mais desinteressados por futebol a letra parece ficção:
Menino de três corações, Bauru, Vila Belmiro
Seguindo o seu futuro e seu destino
Com 21 anos de carreira
Veio, viu e venceu
Jogou 1375 partidas
Fazendo a rede balançar constantemente
Por 10 anos seguidos foi o artilheiro do campeonato paulista
Participou de 50 campeonatos no Brasil e no exterior
Com a realeza de fazer 1281 gols lindos
De cabeça, de virada, de balãozinho, de bate pronto
De bicicleta, de carrinho, de letra, de peito, de peixinho, de falta, de penalty
E nos incríveis gols de placa



<iframe width="420" height="315" src="http://www.youtube.com/embed/CWt2WYYZbJw" frameborder="0" allowfullscreen></iframe>

Comentários

Postagens mais visitadas