No mais cruel dos dias para quem tem culpa no cartório, a roubalheira do Petrolão enlameia o gabinete presidencial

Atualizado às 9h10

Dilma-com-medo-
Neste sábado, os leitores de VEJA saberão que a lama do Petrolão chegou ao 3° andar do Palácio do Planalto e invadiu o gabinete presidencial. A sequência de informações assombrosas contidas nareportagem de capa começa com a lista dos favorecidos com boladas desviadas da Petrobras pelo empreiteiro Ricardo Pessoa e a quantia que coube a cada um. O desfile dos recém-chegados ao acervo de alvos da Operação Lava-Jato é aberto por Lula e Dilma Rousseff. As revelações que se seguem são suficientemente devastadoras para reduzir a mera garoa a tempestade provocada pela prisão do manda-chuva da Odebrecht.
Engaiolado em Curitiba desde novembro, quando acumulava a presidência da construtora UTC e a coordenação do clube de empreiteiras formado para saquear a estatal, Ricardo Pessoa animou-se a contar o que sabia graças ao acordo de delação premiada longamente negociado com os procuradores federais que investigam a roubalheira colossal. Homologado pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, o acerto resultou em cinco dias de depoimentos prestados em Brasília.
É improvável que outro participante do escândalo saiba tanto quanto Ricardo Pessoa. “As confissões deram origem a 40 anexos recheados de planilhas e documentos que registram o caminho do dinheiro sujo”, informa um trecho da reportagem de 12 páginas, dividida em 9 blocos, que expõe o que há de mais relevante no copioso material obtido por VEJA.
O mais recente lote de revelações impressiona pela fartura de detalhes e pelo cinismo do elenco. Os canastrões do faroeste à brasileira agiram com o desembaraço do bandidão depois do quinto uísque no saloon do vilarejo sem xerife. Já descobriram que ainda há homens da lei no Brasil. Vão ver o fim do filme numa cela de cadeia.
*Augusto Nunes

Comentários

Postagens mais visitadas