Dilma não tem remédio

Celso Arnaldo: Dilma não tem remédio

Reprodução do quadro “Naturaleza muerta resucitada”, de Remedios Varo
“Naturaleza muerta resucitada”, de Remedios Varo
Releiam o falatório que resultou em mais uma internação de Dilma Rousseff no Sanatório Geral:
“E tem uma, tem uma pintura dela que eu acho genial, é… como é que é? Natureza Morta… Ai, eu tinha de lembrar a palavra.  Natureza Morta… é uma contradição em termos: de que que é o quadro? É uma natureza morta? Rodando, você entendeu? É ostand still a Natureza Morta, aí a Remedios Varo vai lá e faz… ela bota uma mesa e os componentes da natureza morta estão girando. O nome é interessantíssimo. O nome tem uma certa, uma certa ironia”.
Mais uma vez, o jornalista Celso Arnaldo Araújo teve de entrar em ação. Segue-se o recado enviado pelo descobridor do dilmês:
O nome que nossa Dilma evidentemente não conseguiu nem conseguirá lembrar nunca – o que ela consegue, afinal? – é “Naturaleza muerta resucitada”, quadro que a Remedios Varo pintou em 1963. Fabuloso, como tudo o que fez a pintora surrealista espanhola radicada no México.
Como sempre, a descrição de Dilma para um quadro que não viu, como a dos livros que não leu, é surrealista, sem remédios.

Comentários

Postagens mais visitadas