400 famílias de um vilarejo no Piauí nunca tiveram acesso à luz elétrica. Moradores de São Francisco de Assis do Piauí e outros três municípios do estado nunca tiveram a oportunidade de usar a geladeira ou ver televisão.




No Piauí, o sertanejo que já rezou para chover, agora reza para ter luz em casa. Na cidade de São Francisco de Assis do Piauí tem gente que nunca viu novela, aliás, nunca nem assistiu televisão.
Em alguns locais, os postes até foram instalados, mas a luz não chegou e a espera já dura 11 anos. Dá pra acreditar?
Engana-se quem pensa que os sertanejos do interior do Piauí pedem por chuva. Em pleno século 21, o pedido aos céus é por energia elétrica. “Eu cansei de pedir para os homens, agora é partir pra Deus tocar neles para enxergar nós e poder botar energia”, diz a dona de casa Isabel Rosa de Sousa.
Além das rezas, eles fazem até procissão. Um ritual com moradores de comunidades de três municípios do Piauí. Eles não perdem a fé, mas a espera é longa. Em alguns povoados dura mais de 10 anos, desde quando o programa Luz Para Todos, do governo federal, começou no Piauí.
Lucimar ainda passa roupa com o mesmo ferro a brasa usado pela sogra. Há seis anos recebeu a notícia de que ele seria aposentado com a chegada da energia elétrica.
“Ah, eu fiquei toda emocionada. Agora vai chegar! Cadê? E aí depois disseram que não ia colocar mais. Então eu falei: ‘ah, não vou esperar mais não’”, conta a dona de casa Lucimar da Conceição Silva.
Mas era para acreditar mesmo porque os fios, os interruptores e até as lâmpadas foram instalados pelo programa Luz Para Todos na casa da família. “Só na esperança até hoje”, diz o lavrador Francisco de Sousa.
E o seu Mamede? Ele bebeu a vida toda água do pote e há quase uma década olha para uma geladeira sonhando em tomar uma água geladinha. “Sente emoção, raiva tem hora. Porque a gente tem as coisas e não utiliza dela”, conta o agricultor Mamede José da Costa.
Essas pessoas vivem na zona rural de Paulistana, no semi-árido piauiense, e são vizinhas de outra comunidade, onde a realidade é a mesma. A esperança de que a energia ia chegar veio com a instalação de alguns postes, mas não passou disso.
Quando a noite cai é que aumenta a frustração. Em São Francisco de Assis do Piauí existem pelo menos 400 famílias vivendo à luz de uma lamparina. Esse foi um levantamento feito pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais do município.
É gente como a dona Cipriana, que tem 77 anos e nunca morou em uma casa com energia elétrica. Ela não sabe o que é ter um ferro de passar, uma geladeira, uma televisão e nunca ouviu falar em Tarcísio Meira, Francisco Cuoco, Tony Ramos e também nunca viu uma novela. “Não, nunca assisti”, diz ela.
As notícias chegam em um rádio a pilha e o jantar é a luz de vela ou lamparina. As pessoas que rezam pedindo luz elétrica não conseguem entender porque ainda vivem na escuridão.
“A gente está indo dormir sem energia. Enquanto muitos lugares que já tem, em outros não tem”, lamenta o agricultor Francisco José de Alencar.
A Eletrobras Distribuição Piauí disse que as obras foram paralisadas porque algumas das empresas que ganharam a licitação para instalar a energia no programa Luz Para Todos não tinham capacidade técnica para realizar o trabalho e haverá nova licitação.
O Ministério das Minas e Energia disse que todas as famílias que registraram o pedido de ligação na concessionária terão acesso à energia elétrica, e que há previsão de atender 3,7 mil famílias até dezembro deste ano no estado do Piauí.
http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2015/06/400-familias-de-um-vilarejo-no-piaui-nunca-tiveram-acesso-luz-eletrica.html

Comentários

Postagens mais visitadas