Petrobras: de menina dos olhos a ovelha negra de Dilma

Graves denúncias de irregularidades e resultados financeiros pífios tiraram a Petrobras do rol de armas eleitorais do PT contra a oposição

Presidente Dilma Rousseff com a presidente da Petrobras Graça Foster, durante cerimônia alusiva à viagem inaugural do navio Dragão do Mar e batismo do navio Henrique Dias no Estaleiro Atlântico Sul em Ipojuca-PE
ANTES E DEPOIS - Hoje, Dilma afirma que colocar Petrobras no debate eleitoral é "imaturo" (João Carlos Mazella/Fotoarena/VEJA)
É uma estratégia petista rotineira. Quando o jogo já não favorece o partido, mudam-se as regras — ou joga-se o tabuleiro fora. Nos idos de 2010, a candidata Dilma Rousseff bradava uma preocupação injustificada com uma possível venda da Petrobras caso seus opositores vencessem o pleito presidencial: "É um crime privatizar a Petrobras ou o pré-sal", disse ela, atacando o PSDB. "Eles só pensam em vender o patrimônio público", continuou Dilma, relacionando o futuro da empresa às privatizações dos setores elétrico e de telecomunicações que ocorreram durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. O episódio apenas explicitou uma dinâmica de propaganda repetida à exaustão pelo partido: ao explorar o nacionalismo, o PT espalhou o receio de que o PSDB venderia a estatal e, assim, abriria mão de um "patrimônio" dos brasileiros, criando um ambiente de medo em potenciais eleitores do candidato tucano da vez - no caso, José Serra. Pouco importava, neste caso, a falta de embasamento para a acusação. O partido não apresentava números ou argumentos fortes para mostrar os ganhos, de fato, que o país auferia ao sustentar tal empresa com recursos provenientes dos cofres públicos. Soube-se, mais tarde, que o apego profundo que o partido mantém pela estatal está à margem de qualquer discurso ufanista. A Petrobras transformou-se, em pouco mais de uma década, numa das estatais mais aparelhadas do país, onde o loteamento de cargos foi regra, não exceção. Muitos a chamam, em tom de blague, de Ministério. 
O apego quase emocional à empresa vem se dissipando ao passo que o discurso do partido, convenientemente, mudou. Com a estatal envolvida em graves denúncias de irregularidades e desmandos administrativos, o governo tenta se desvincular. Quanto menos a Petrobras for assunto da campanha, melhor. Para isso, vale até voltar atrás em sua retórica nacionalista. "Se tem uma coisa que a gente tem que preservar, porque tem sentido de estado e país, é não misturar eleição com a maior empresa de petróleo do país. Isso não é correto, não mostra nenhuma maturidade", disse a presidente, no domingo, no Palácio da Alvorada. 
O petróleo é nosso — O uso da Petrobras como arma na disputa presidencial vem de longe. Desde a primeira vitória de FHC, Lula sempre lançou mão do nacionalismo exacerbado — arma clichê de governos extremistas — para tentar assustar o eleitor. Tanto que em 2006, o tucano Geraldo Alckmin até vestiu o macacão da estatal para tentar desfazer a imagem, espalhada pelos petistas, de que o PSDB privatizaria a empresa. A retórica antiprivatizações foi usada sem filtros por Lula em todos os pleitos que disputou — e Dilma tornou-se adepta inveterada do discurso. Ainda em 2010, em debates entre os candidatos, a atual presidente voltou a usar o tema para atingir Serra. "Dá uma dúvida se eles são só a favor da privatização do pré-sal ou se são a favor da privatização do pré-sal e da Petrobras", afirmou, na TV Bandeirantes. Isso porque um assessor de Serra, David Zylberstajn, defendeu que o pré-sal fosse aberto à exploração de empresas estrangeiras, o que é uma prática comum no setor em todo o mundo. O candidato tucano nunca declarou apoio à ideia, muito menos à venda da estatal. Mas o PT viu nisso uma forma de JOGAR os tucanos contra a parede — e contra os eleitores.
VEJA.comDe mal a pior - Petrobras
O discurso da petista não correspondia à prática. Em seu governo, a própria Dilma leiloou a área do pré-sal a empresas estrangeiras. A diferença é a forma de privatização. Sob o regime de partilha, a Petrobras se transformou em sócia de todas as multinacionais na exploração. O governo usou o mesmo expediente para colocar nas mãos do setor privado aeroportos, rodovias e portos — faltando apenas as ferrovias, cujo processo de privatização ainda está no papel. Mas, à época, o que valia era o impacto eleitoral dos ataques à participação do setor privado na economia.
Longe, mas não muito — O distanciamento repentino, contudo, tem seus limites. Dilma não deixou a Petrobras à própria sorte porque sabe que isso pode prejudicar suas chances de permanecer na Presidência. Prova disso é que o governo não pestanejou quando viu a presidente da Petrobras, Graça Foster, prestes a ter seus bens bloqueados pelo Tribunal de Contas da União (TCU), e atuou de forma inédita por meio do advogado-geral da União, Luís Inácio Adams. Às pressas, Adams se dirigiu ao TCU para fazer uma sustentação oral em favor de Graça, argumentando que a indisponibilidade de seus bens poderia ferir a imagem da estatal e, por consequência, prejudicar seus resultados. Foi a primeira vez que o chefe da AGU fez movimento semelhante. 
Nomes do alto escalão do Palácio do Planalto também foram ao socorro da estatal para orquestrar um verdadeiro teatro, revelado por VEJA, durante a CPI que apurou as irregularidades na compra da refinaria de Pasadena, no Texas. A farsa consistia em coletar as perguntas com os parlamentares e passá-las antes aos interrogados, para que pudessem se preparar (e serem treinados) para dar as respostas certas. A compra de Pasadena resultou em perdas de quase 800 milhões de dólares para a estatal e tem como personagem a própria Dilma, que atuava como presidente do Conselho de Administração da empresa. A Comissão também deveria apurar o envolvimento de executivos da empresa na Operação Lava Jato — um ardiloso esquema de lavagem de dinheiro comandado pelo doleiro Alberto Youssef. Sabe-se, hoje, que tudo não passou de uma grande mentira.
Conta não fecha — Não fossem os escândalos suficientes, há ainda os números — esses, sim, contundentes o bastante para fazer o governo rapidamente deixar de lado o orgulho inflamado que a estatal costumava despertar. Nas mãos do PT, a Petrobras passou por seu melhor momento com a descoberta do pré-sal, em 2007, mas também chegou ao fundo do poço ao final do governo Dilma. Entre 2010 e 2013, o lucro da empresa recuou 28% e seu endividamento avançou de 117,91 bilhões de reais para 267,82 bilhões de reais. Ao levar em consideração os números do último balanço, referente ao segundo trimestre de 2014, a dívida salta para 307 bilhões de reais, o que a torna a empresa de petróleo mais endividada do mundo. A capitalização de 120 bilhões de reais feita em setembro de 2010, com o objetivo de levantar recursos para financiar o plano de investimentos da empresa, teve efeito praticamente nulo. O dinheiro foi usado para financiar o caixa da empresa, que é submetido a constantes baques por ter de bancar os subsídios ao preço da gasolina. Por isso, a estatal se viu obrigada a levar adiante um audacioso plano de vendas de ativos para levantar capital e conseguir investir. Foi por meio desse plano, inclusive, que veio à tona o malfadado negócio feito em Pasadena e revelado por VEJA em 2012.

A estratégia do PT deu tão errado que a Petrobras se tornou espécie de mensageira dos investidores. As ações da empresa são penalizadas sempre que pesquisas eleitorais mostram resultados favoráveis a Dilma — e ocorre o inverso quando os números mostram Aécio Neves mais forte. A dinâmica esquizofrênica se torna ainda mais evidente porque os investidores, em especial os especuladores, têm ignorado suspeitas gravíssimas de corrupção contra a empresa ao fazerem suas movimentações financeiras. Parecem levar em conta em suas análises apenas a expectativa de permanência do PT no governo. Não à toa, logo após a estatal divulgar resultados decepcionantes em relação ao segundo trimestre (queda de 20% em seu lucro), suas ações vêm subindo exponencialmente. Fecharam em alta de quase 8% apenas nesta sexta-feira, com investidores celebrando a provável de Marina Silva na corrida eleitoral, o que sepultaria as chances de Dilma vencer no primeiro turno.

Comentários

Postagens mais visitadas