PLEBISCITO É GOLPE


1/07/2013
 às 19:30 

PROTESTOS: Esse plebiscito que o PT quer é golpe!

PLEBISCITO É GOLPE 
Carta ao Leitor de VEJA da edição que está nas bancas
O plebiscito proposto pelo governo e pelo PT é um golpismo por diversos motivos.
Primeiro porque, se nin­guém de bom-senso discorda da tese de que o Brasil precisa de uma reforma do sistema político, também não se encontra ninguém igualmente sensato que ache que isso deva ser feito via consulta popular.
Segundo, por­que a iniciativa é uma tentativa rasteira do PT e do governo de mudar de assunto, de lançar uma cortina de fumaça entre eles e os clamores populares. Se há uma coisa que os manifestantes têm demonstrado à exaustão é que os brasileiros estão cansados de golpes baixos e promessas vãs.
Terceiro, porque não se faz plebiscito para jogar nos ombros das pessoas o peso de decisões sobre o fun­cionamento de coisas complexas.
As pessoas não podem ser obrigadas a decidir exata­mente como as instituições devem funcio­nar. Elas querem simplesmente que as insti­tuições funcionem bem. que os funcionários públicos sejam honestos, imparciais e efi­cientes, que os políticos representem seus eleitores nas assembleias e no Congresso.
Uma reportagem da edição desta semana de VEJA revela que o PT e o governo não estão genuinamente interessados na consulta popular.
Eles querem mesmo é usar o tempo de televisão destinado à discussão das questões a ser propostas no blebiscito para colocar Lula fazendo propaganda da presidente Dima Rousseff, a candidata do partido à reeleição em 2014.
Isso é inaceitável.
Os brasileiros foram às ruas exigir a re­forma dos políticos, não uma reforma políti­ca.
Com seus cânticos, suas faixas e carta­zes. as pessoas cobraram honestidade, trans­parência e eficiência dos políticos e das au­toridades de todos os níveis e partidos.
Elas exigiram, principalmente, o fim da corrup­ção.
Ora, não requer muito tirocínio concluir que esses anseios podem e precisam ser atendidos imediatamente, na vigência do atual sistema político.
Não há razão alguma para que os políticos e as autoridades não possam começar desde já a ser e parecer ho­nestos e funcionais.
É escárnio fingir que is­so só é possível depois de um plebiscito em que se vai exigir dos brasileiros uma opinião sobre tecnicalidades de funcionamento das engrenagens eleitorais.
Isso equivale a médi­cos perguntarem a familiares de um paciente de UTI se eles estão de acordo com os remé­dios perfundidos ou com a porcentagem de oxigênio no tubo traqueal.
Obviamente, eles não vão saber responder. Mas isso não toma menos justo seu direito de que o paciente tenha o tratamento adequado.
Assim deve ser em relação às institui­ções. Não se pode colocar como pré-requi­sito para a honestidade, eficiência e transpa­rência delas que as pessoas sejam experts em detalhes de seu funcionamento.
Exigir isso é iludir a plateia. E a plateia tem demonstrado com todo o vigor que se cansou de ser iludida.
*Ricardo Setti


Comentários

Postagens mais visitadas