Contos Gauchescos

Jogo de Osso
Pois olhe: eu já vi jogar-se uma mulher num tira de taba. Foi uma parada que custou vida… mas foi jogada!
  Um pouco pra fora da Vila, na volta da estrada, metida na sombra dumas figueiras velhas ficava a vendola do
Arranhão; era um bochinche mui arrebentado, e o dono era um sujeito alarifaço, cá pra mim, desertor, meio
espanhol meio gringo, mas mui jeitoso para qualquer arreglo que cheirasse à plata...
Mui destravado da língua e ao mesmo tempo rezador, sempre se santiguando e olhando por baixo, como 
porco, tudo pra ele era negócio: comprava roubos, trocava cousas, emprestava pra jogo, com usura, e sempre se 
atrapalhava para menos, no troco dos pagamentos. 
Às vezes armava umas carreiritas, que se corriam numa cancha dumas três quadras que ele mesmo tinha
arranjado a um lado do potreiro; então conchavava algum gringo tocador de realejo e estava preparado o diverti-mento. O que ele queria era gente, peonada, andantes, vagabundos, carreteiros, para poder vender canha e comida 
e doces; e de noite facilitava umas mesas de      primeira, de truco ou de sete-em-porta para tirar o cafife. Doutras 
ocasiões ajeitava umas dançarolas que alvorotavam o chinaredo da vizinhança. 
Por este pano de amostra vancê vê o que seria aquele gavião. 
Duma vez que ele tinha trançado umas carreiras, com duas ou três pencas de patacão, e se havia ajuntado 
algum povo, tudo gauchada leviana, choveu. 
A chuvarada estragou a cancha, molhou as carpetas, atrapalhou tudo. 
E a gente foi ganhando na venda, apinhoscou-se por debaixo das figueiras e no galpão. 
Quando passou o aguaceiro e oriou o terreiro, deram alguns aficionados para jogar o osso. 
Vancê sabe como é que se joga o osso? 
Ansim: 

Escolhe-se um chão parelho, nem duro, que faz saltar, nem mole, que acama, nem areento, que enterra o
osso. 
  É sobre o firme macio, que convém. A cancha com uma braça de largura, chega, e três de comprimento; no 
meio bota-se uma raia de piola, amarrada em duas estaquinhas ou mesmo um risco no chão, serve; de cada cabeça 
da cancha é que o jogador atira, sobre a raia do centro: este atira daqui pra lá, o outro atira de lá pra cá. 
O osso é a taba, que é o osso do garrão da rês vacum. O jogo é só de culo ou suerte. 
Culo é quando a taba cai com o lado arredondado pra baixo: quem atira assim perde logo a parada. Suerte é 
quando o lado chato fica embaixo: ganha logo e sempre. 
Quer dizer: quem atira culo perde, se é suerte ganha e logo arrasta a parada. 
Ao lado da raia do meio fica o  coimeiro  que é o sujeito depositário da parada e que a entrega logo ao 
ganhador. O coimeiro também é que tira o barato — para o pulpeiro. Quase sempre é algum aldragante velho e 
sem-vergonha, dizedor de graças. 
E um jogo brabo, pois não é? 
Pois há gente que se amarra o dia inteiro nessa cachaça, e parada a parada envida tudo: os bolivianos, os
arreios, o cavalo, o poncho, as esporas. O facão nem a pistola, isso, sim, nenhum aficionado joga; os fala-verdade é 
que têm de garantir a retirada do perdedor sem debocheira dos ganhadores... e, cuidado… muito cuidado com o 
gaúcho que saiu da cancha do osso de marca quente!... 
Pois dessa feita se acolheraram a jogar a taba o Osoro e o Chico Ruivo. 
O  Osoro era um moreno mui milongueiro, compositor de parelheiros e meio aruá; andava sempre metido 
pelos ranchos contando histórias às mulheres e tomando mate de parceria com elas. 
52 
O  Chico era domador e morava de agregado num rincão da estância das Palmas; e vivia com uma 
piguancha bem jeitosa, chamada Lalica. 
Nesse dia Unha vindo com ela ao festo do Arranhão. Enquanto os dois jogavam, a morocha andava lá por 
dentro, com as outras, saracoteando. 
Havia violas; havia tocadores; a farra ia indo quente. E os dois, jogando. O Chico perdia uma em cima da 
outra. 
—  Culo! Outra vez?... Má raios!... 
—  Suerte, chê! Ganhei! repetia o Osoro. 
—  Jogo-te o tostado, aperado, valeu? Topo! 
E culo!... Isto é mau olhado dalgum roncolho mirone!... 
E relanceou os olhos pelos vedores, esperando que algum comprasse a camorra; ninguém se picou. 
—  Jogo o teu ruano contra as duas tambeiras da Lalica! 
—  E pouco, Chico!... Ainda se fosse a dona!... 
—  Osoro, não brinca!... Pois olha; jogo! 
— O ruano? 
—  O mano contra a Lalica! Assim como assim, esta china já está me enfarando!... 
— Pois topo! 
Os mirones se entreolharam, boquejando, alguns; eles bem viam que o gaúcho estava sem liga, que já tinha 
perdido tudo, o dinheiro, o cavalo, as botas, um rebenque com argolão de prata; e agora, o outro, o Osoro, para 
completar o carcheio, ainda tinha topado a última parada, que era a china... 
A cousa ia ser tirana; correu logo voz; em roda dos dois amontoou-se a gente. 
O Osoro atirou, e deu suerte... 
O Ruivo atirou, e deu suerte... 
—  Ora, não deu gosto! disse um. 
—  Outra mão! disse o outro. 
E o Ruivo atirou: culo! 
O  Osoro atirou: suerte! 
— Ganhei, aparceiro! 
—  Pois toma conta, ermâo! 
—  Tu é que tens de fazer a entrega... 
—  Não tem veremos... Trato é trato!... 
Já ia querendo anoitecer. 
  O  que se passou entre aquelas três criaturas, não sei; se juntaram num canto do balcão da venda e falaram. 
Por certo que o Chico Ruivo disse à china que a jogara numa parada de taba; o Osoro só disse uma vez: 
—  Eu, se perdesse o ruano, o Chico já ia daqui montado nele... 
A Lalica deu uma risadinha amarela; olhou o Osoro, olhou o Chico Ruivo, cuspiu de nojo e disse pra este, na 
cara: 
—  Sempre és muito baixo!..., guampudo, por gosto!... 
—  Olha, guincha, que te grudo as chilenas!... 
—  Ixe! Este, agora, é que me encilha, retalhado!... 
53 
  Nisto um violeiro pegou a rufar uma dança chorada; umas parelhas pegaram a se menear no compasso da 
música e logo o Osoro, para cortar aquele aperto, travou do pulso da morocha, passou-lhe o braço na cinta e quase 
levantando-a no ar entrou na roda dos dançadores; o Ruivo ficou quieto, mas de goela seca e nos olhos com uma 
luz diferente. 
Na primeira volta, quando o par passou por ele, a china ia dizendo mui derretida: 
—  Quando quiseres, meu negro... 
Na segunda volta, como num despique, ela tornou a boquejar pro Osoro: 
—  Eu vou na tua garupa... 
E na outra, a china vinha calada, mas com a cabeça deitada no peito do par, olhando terneira pra ele, com 
uma luz de riso, os beiços encolhidos, como armando uma promessa de boquinha; e o Osoro se esqueceu do 
mundo… e colou na boca da tentação um beijo gordo, demorado, cheio de desaforo... 
O Chico Ruivo teve um estremeção e deu um urro entupido, arrancou do facão e atirou o braço pra diante, 
numa cegueira de raiva, que só enxerga bem o que quer matar... 
  E vai, como pegou o Osoro pela esquerda, do lado, meio por detrás, por debaixo da paleta, o facão saiu no 
rumo certo e foi bandear a Lalica meio de lado, sobre a esquerda da frente. 
Vancê compr’ende? Do mesmo talho varou os dois corações, espetou-os no mesmo feno, matou-os da 
mesma morte, fazendo os dois sangues, num de cada peito, correrem juntos num só derrame... que foi lastrando 
pelo chão duro, de cupim socado, lastrando... até os dois corpos baterem na parede, sempre abraçados, talvez mais 
abraçados, e depois tombarem por cima do balcão, onde estava encostado o tocador, que parou um rasgado bonito 
e ficou olhando fixe para aquela parelha de dançarmos morrentes e farristas ainda!... 
Levantou-se uma berraçada. 
— Matou! Foi o Chico Ruivo!... Amarra! Cerca!... 
Mas o Ruivo parece que voltou a si; coriscou o facão aos dois lados e atropelou a porta, ganhou o terreiro e se 
foi ao palanque onde estava o ruano do Osoro: montou e gritou pra os que ficavam: 
— Siga o baile!... 
E deu de rédea, no escuro da noite. 
O Arranhão acudiu ao berzabum; aquele safado, curtido na ciganagem, só soube dizer: 
— Pois é... jogaram o osso, armaram a sua paranda... mas nenhum pagou nada ao coimeiro!... Que trastes!...

ass


Comentários

Postagens mais visitadas