Triste sina...,


O herói de 1981 reaparece 32 anos mais velho para enterrar a filha e dois netos

Foto: Carlos Mesquita/reprodução
No verão de 1981, durante os temporais que mataram 67 pessoas em Petrópolis, o fotógrafo Carlos Mesquita eternizou a imagem do pedreiro Jamil Luminato carregando sob a chuva o corpo de uma criança. A dramaticidade da cena rendeu um prêmio Esso a Mesquita, morto no ano passado. Jamil voltou a submergir no anonimato.
Nesta quinta-feira, Jamil reapareceu nas primeiras páginas 32 anos mais velho, mas sempre ao lado de vítimas das chuvas. Desta vez, as imagens mostram o pedreiro da Região Serrana do Rio enterrando a filha Drucilane Luminato, 37, e os netos Rodrigo de Oliveira Valle Júnior, 4, e João Vitor Alves do Valle, 2.
“A gente sabe que lá é área de risco”, disse à Folha. “Mas vamos para onde? Não temos condição de comprar um apartamento”. Jamil continua onde morava em 1981, a poucos metros da casa em que a filha morava. Ambos se enquadram na categoria de culpados que a presidente Dilma Rousseff inaugurou na semana passada.
“Não pode deixar construir”, irritou-se a chefe de governo. “É uma situação muito preocupante, porque as pessoas não saem. Quando for dito que é uma questão de emergência, as pessoas têm que sair. Têm de ter essa consciência”. O tortuoso raciocínio de Dilma é desmontado por duas frases de Jamil. “Se tivesse condições de sair, saía. Mas foi o que conseguimos construir com nosso dinheiro”.
Daniel Marenco/Folhapress

Comentários

Postagens mais visitadas