Degraus da ilusão..


Lya Luft: “Vejo multidões consumindo, estimuladas a consumir como se isso constituísse um bem em si e promovesse real crescimento do país. (…) Isso não é subir de classe social”

Consumo desenfreado = falso crescimento econômico (Foto: Philippe Huguen / AFP)
Consumo desenfreado = falso crescimento econômico (Foto: Philippe Huguen / AFP)
(Artigo publicado na edição impressa de VEJA)
DEGRAUS DA ILUSÃO
Lya Luft
Lya Luft
Fala-se muito na ascensão das classes menos favorecidas, formando uma “nova classe média”, realizada por degraus que levam a outro patamar social e econômico (cultural, não ouço falar). Em teoria, seria um grande passo para reduzir a catastrófica desigualdade que aqui reina.
Porém receio que, do modo como está se realizando, seja uma ilusão que pode acabar em sérios problemas para quem mereceria coisa melhor. Todos desejam uma vida digna para os despossuídos, boa escolaridade para os iletrados, serviços públicos ótimos para a população inteira, isto é, educação, saúde, transporte, energia elétrica, segurança, água, e tudo de que precisam cidadãos decentes.
Porém, o que vejo são multidões consumindo, estimuladas a consumir como se isso constituísse um bem em si e promovesse real crescimento do país. Compramos com os juros mais altos do mundo, pagamos os impostos mais altos do mundo e temos os serviços (saúde, comunicação, energia, transportes e outros) entre os piores do mundo. Mas palavras de ordem nos impelem a comprar, autoridades nos pedem para consumir, somos convocados a adquirir o supérfluo, até o danoso, como botar mais carros em nossas ruas atravancadas ou em nossas péssimas estradas.
Além disso, a inadimplência cresce de maneira preocupante, levando famílias que compraram seu carrinho a não ter como pagar a gasolina para tirar seu novo tesouro do pátio no fim de semana. Tesouro esse que logo vão perder, pois há meses não conseguem pagar as prestações, que ainda se estendem por anos.
sao-paulo-congestionamento-radial-leste-transito-ibge-20120427-size-620
"Somos convocados a adquirir o supérfluo, até o danoso, como botar mais carros em nossas ruas atravancadas ou em nossas péssimas estradas" (Foto: VEJA.com)
Estamos enforcados em dívidas impagáveis, mas nos convidam a gastar ainda mais, de maneira impiedosa, até cruel. Em lugar de instruírem, esclarecerem, formarem uma opinião sensata e positiva, tomam novas medidas para que esse consumo insensato continue crescendo – e, como somos alienados e pouco informados, tocamos a comprar.
Sou de uma classe média em que a gente crescia com quatro ensinamentos básicos: ter seu diploma, ter sua casinha, ter sua poupança e trabalhar firme para manter e, quem sabe, expandir isso. Para garantir uma velhice independente de ajuda de filhos ou de estranhos; para deixar aos filhos algo com que pudessem começar a própria vida com dignidade.
Tais ensinamentos parecem abolidos, ultrapassadas a prudência e a cautela, pouco estimulados o desejo de crescimento firme e a construção de uma vida mais segura. Pois tudo é uma construção: a vida pessoal, a profissão, os ganhos, as relações de amor e amizade, a família, a velhice (naturalmente tudo isso sujeito a fatalidades como doença e outras, que ninguém controla). Mas, mesmo em tempos de fatalidade, ter um pouco de economia, ter uma casinha, ter um diploma, ter objetivos certamente ajuda a enfrentar seja o que for. Podemos ser derrotados, mas não estaremos jogados na cova dos leões do destino, totalmente desarmados.
Somos uma sociedade alçada na maré do consumo compulsivo, interessada em “aproveitar a vida”, seja o que isso for, e em adquirir mais e mais coisas, mesmo que inúteis, quando deveríamos estar cuidando, com muito afinco e seriedade, de melhores escolas e universidades, tecnologia mais avançada, transportes muito mais eficientes, saúde excelente, e verdadeiro crescimento do país. Mas corremos atrás de tanta conversa vã, não protegidos, mas embaixo de peneiras com grandes furos, que só um cego ou um grande tolo não vê.
A mais forte raiz de tantos dos nossos males é a falta de informação e orientação, isto é, de educação. E o melhor remédio é investir fortemente, abundantemente, decididamente, em educação: impossível repetir isso em demasia. Mas não vejo isso como nossa prioridade.
Fosse o contrário, estaríamos atentos aos nossos gastos e aquisições, mais interessados num crescimento real e sensato do que em itens desnecessários em tempos de crise. Isso não é subir de classe social: é saracotear diante de uma perigosa ladeira. Não tenho ilusão de que algo mude, mas deixo aqui meu quase solitário (e antiquado) protesto.

Comentários

  1. Um senso medonho de justiça jundo a um medo descomunal de dar minha cara ao tapa me fazem escrever de blog em blog- que é uma forma anônima de fazer uma denúncia: o título original desse texto é "Minha casa, minha dívida". Não posso citar o nome do real autor por respeito à sua imagem, pois creio que ele ficaria quieto diante desse evento- para não dizer plágio.
    Uso, em meu pseudônimo, nomes de traidores para que as pessoas não me julguem pelo que pareço ser, mas sim pelo que sou. Espero encontrar compreensão por tua parte.

    ResponderExcluir
  2. Um senso medonho de justiça jundo a um medo descomunal de dar minha cara ao tapa me fazem escrever de blog em blog- que é uma forma anônima de fazer uma denúncia: o título original desse texto é "Minha casa, minha dívida". Não posso citar o nome do real autor por respeito à sua imagem, pois creio que ele ficaria quieto diante desse evento- para não dizer plágio.
    Uso, em meu pseudônimo, nomes de traidores para que as pessoas não me julguem pelo que pareço ser, mas sim pelo que sou. Espero encontrar compreensão por tua parte. _Calabar Qayin

    ResponderExcluir
  3. Aguardei por um tempo considerável e só obtive um interessado em saber o que há por trás desse evento...
    Tenho de confessar que esperava por mais respostas vindas deste blog. Não desejo "pecar pelo silêncio", afinal.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas