Liberdade sempre...,


Brasil cai 41 posições no ranking de liberdade de imprensa

É a 2ª queda mais acentuada entre países da América Latina, diz organização

Favela de Antares: Ernani Alves, repórter da Band (dir.), que estava com o colega de trabalho, o cinegrafista Gelson Domingos, minutos antes dele ser baleado
Favela de Antares: Ernani Alves, repórter da Band (dir.), que estava com o colega de trabalho, o cinegrafista Gelson Domingos, minutos antes dele ser baleado (Fernando Quevedo / Agência O Globo)
O Brasil caiu 41 posições no Ranking de Liberdade de Imprensa, realizado anualmente pela organização Repórteres Sem Fronteiras. O país caiu do 58º lugar, que ocupava em 2010, para o 99º, no levantamento 2011-2012 divulgado nesta quarta-feira. Esta é a segunda queda mais acentuada entre os países da América Latina, destaca a entidade, que relaciona o péssimo desempenho brasileiro ao "alto índice de violência" e a mortes de jornalistas no ano passado (sem detalhar, a organização fala em três casos; em novembro, um cinegrafista foi morto ao cobrir uma ação do Bope no Rio). Só o Chile registrou performance pior que a brasileira na região, perdendo 47 colocações, principalmente em função dos protestos estudantis. A pesquisa, que completa uma década, atribui notas a 179 países de acordo com os perigos que os profissionais da imprensa encontram para trabalhar (os melhores colocados recebem pontuação negativa).
"Este ano, o ranking apresenta o mesmo grupo de países no topo. Entre as nações estão Finlândia, Noruega e Holanda, que respeitam a liberdade básica. Isso é um lembrete de que a independência da mídia só pode ser mantida em democracias fortes e que a democracia precisa de liberdade de imprensa", destacam os Repórteres Sem Fronteiras, em comunicado. "Vale a pena notar a entrada de Cabo Verde e Namíbia para o Top 20 - dois países africanos onde nenhuma tentativa de obstrução do trabalho da imprensa foi relatado em 2011", acrescentam.
Ditaduras - Já na outra ponta da tabela, entre as piores colocações, não há surpresas. "Ditaduras que não permitem qualquer liberdade civil ocupam novamente os últimos três lugares (Turcomenistão, Coreia do Norte e Eritreia). Este ano, eles são imediatamente precedidos por Síria, Irã e China, "países que parecem ter perdido o contato com a realidade, pois têm sido sugados para dentro de uma espiral louca de terror", enfatiza a organização.
Além da Síria, outros países atingidos pelas revoltas árabes, como Egito, Iêmen e Barein, também apresentam índices alarmantes. "Muitos meios de comunicação pagaram caro pela cobertura das aspirações democráticas ou movimentos da oposição. A censura passou a ser uma questão de sobrevivência para os regimes totalitários e repressivos."
Confira, abaixo, o desempenho de cada país:

Comentários

Postagens mais visitadas